Notícias fundação Shunji Sishimura

03/07/2019

Curso de Big Data no agronegócio integra projeto para atrair talentos profissionais.

Curso de Big Data no agronegócio integra projeto  para atrair talentos profissionais

Workshop tratou sobre o papel do RH na transformação digital através do programa DTX (Digital Transformation Experience)
 
“Um laboratório dentro das melhores práticas na formação de empreendedores”. É como define o professor do curso de Big Data no Agronegócio da Fatec Shunji Nishimura, Tsen Chung Kang o modelo DTX (Digital Transformation Experience) voltado para a área de Recursos Humanos (RH). O conceito foi apresentado durante um workshop sobre o papel do RH na transformação digital realizado na última segunda-feira (24). O evento aconteceu durante todo o dia na Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia em Pompeia onde estiverem presentes vários profissionais de RH e de empresas ligadas ao desenvolvimento digital da região.

Segundo ele, o objetivo é formar um grande número de profissionais talentosos (pool de talentos) e empreendedores além de propiciar um ambiente regional propício para abrigar esses novos talentos que acabam partindo para outros polos por não encontrarem mercado que os absorva na região.
 
O professor destacou que os desafios para os RHs serão o desenvolvimento de uma nova cultura de gestão dentro da empresa que contribua para o desenvolvimento do pool de talentos envolvendo regras, cultura, estratégia, etc. Será desafiador também para a melhora da competitividade da empresa e da região. Tsen destacou que para que esse ambiente aconteça e para que sejam formados profissionais autônomos será necessária a formação educacional de estudantes com modelos de aprendizagem ativa, do tipo Profound Learning. Nesse método o aluno torna-se mais pró-ativo,  um especialista em resolução de problemas e não um mero expectador e receptor do conteúdo de ensino. “O aluno aprende a definir o problema corretamente, e a construir o pensamento estratégico, tático e operacional da resolução do problema”, explica o professor.

O professor destacou que o modelo de formação dos alunos da Fatec Shunji Nishimura promove comportamentos importantes para uma formação profissional moderna e diferenciada, pois, visa promover um senso de pró-atividade, autonomia, colaboração, entrega de resultados, inovação e empreendedorismo. Características que tornam os alunos futuros profissionais de destaque, pois é o que as empresas procuram.
 
“Acreditamos que o caráter, as competências e os conhecimentos são fundamentais para o sucesso profissional do aluno. A construção do futuro e o processo de inovação são definidos principalmente pelo que nós cremos e não apenas pelo que sabemos. Acreditamos que o diferencial humano está na sua fé uma vez que as máquinas com o passar do tempo vão saber mais do que nós”, finalizou. O professor da Fatec Shunji Nishimura e coordenador do projeto, Tiago José Goulart, explicou que esse programa surge da necessidade das empresas de passar pelo processo de transformação digital incorporando novas tecnologias do mundo 4.0 para que se mantenham competitivas em um mercado de grande transformação.

“A parceria com a Fatec é de vital importância para fornecer gente preparada não apenas com a novas tecnologias do mundo 4.0 como IoT, Big Data e Machine Learning, mas com uma nova maneira ágil de gestão tão comuns no mundo de startups como Design Thinking, MVP e Scrum”, explica o professor. O programa DTX conta agora com 17 empresas inscritas e cada empresa escolherá dois alunos bolsistas que assumem funções de gestores de projetos de desenvolvimento na metodologia ágil que são os Product Owners e os Scrum Masters.

Segundo ele, as bolsas de estudo são parte do programa DTX de transformação digital. O DTX é um programa idealizado e patrocinado pela Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia em parceria  com a Fatec de Pompeia, em especial o curso de Big Data no Agronegócio e com a Bluefields  Aceleradora para levar a transformação digital para as empresas da região da alta paulista.

“O DTX também aproxima as empresas das escolas. As empresa se beneficiam e os alunos também, pois além da bolsa esse programa traz problemas reais para o mundo acadêmico e se torna uma grande oportunidade para os alunos mostrarem seus talentos para importantes empresas da região”, destacou Goulart, que também é CEO de uma startup no setor de educação. O professor acredita que esse programa seja o início da formação de um ecossistema de inovação que une empresas escolas e centros de tecnologias ajudando as empresas a passarem pela transformação digital e trazendo prosperidade para nossa região.

Durante o workshop os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o polo educacional da Fundação e ver de perto a formação de pessoas desenvolvida pela instituição de ensino além de participar de palestras de inovação do programa DTX e vivenciar experiências entre empresas e alunos do curso Big Data conhecendo como são esses projetos integradores na prática. Para o coordenador do curso de Big Data no Agronegócio da Fatec Shunji Nishimura, Luis Hilário Tobler Garcia, o programa DTX, tem como propósito oferecer para as indústrias da alta paulista a oportunidade de vivenciar a experiência do mundo 4.0 em um programa de 8 meses.

“Sabe-se que durante esses 8 meses diversas atividades serão feitas, incluindo projetos que serão desenvolvidos com a participação de alunos do curso de Big Data no Agronegócio. Assim será possível que estes alunos possam vivenciar problemas que impactam de forma real os negócios das indústrias e empresas que irão participar do programa”, destaca Garcia.

O coordenador também acredita que será possível enriquecer a formação destes alunos, tendo assim uma expectativa de que através deste programa sejam criadas oportunidades de trabalhos e relacionamento de negócios entre alunos e as empresas da região.

Para Renata Paloni Varanda Garcia,  diretora de T&D e seleção da Agroterenas, empresa participante do programa, o  DTX é  uma iniciativa importante  e uma oportunidade  ímpar para o desenvolvimento, inovação e geração de conhecimento. “Não só para empresas participantes, mas  para toda a nossa região. Acreditamos na conquista de excelentes resultados com essa parceria através da transformação do conhecimento em ação”, destacou.

Na opinião do empresário Roberto Borghetti de Melo, diretor da Imobiliária Toca Imóveis, também participante do programa DTX, todas as empresas que estiverem dentro desse processo serão privilegiadas.

“Além da parte digital há um sentimento de propósito e visão diferenciados. Os executivos da minha empresa que estão participando do programa estão muito felizes e com uma expectativa muito boa. O DTX vai nos aproximar desse mundo digital ensinando como andar nesse processo dentro das melhores práticas e com uma visão global de riscos e oportunidades”, justifica o empresário.

Borghetti, que vai contratar dois alunos do curso Big Data dentro do processo de bolsas, acredita que o programa vai ajudar em muito no seu negócio atraindo novos talentos no ramo imobiliário e nos demais.

“Nos sentimos premiados ao ser convidados para participar do DTX,  pois alia esse mundo digital, que é irreversível e que precisa ser encarado de frente, com princípios e valores corretos e que nos levarão a caminhos certos nesse processo. Com duração de três anos, o curso de Big Data no Agronegócio oferecido pela Fatec de Pompeia conta com 40 vagas no período da tarde formando profissionais que possam atuar em empresas de infraestrutura de TI (Tecnologia da Informação); empresas que desenvolvem software e hardware; fabricantes e revendedores de equipamentos para internet das coisas e agricultura de precisão; indústria e revendedores de tratores, máquinas e implementos agrícolas e usinas, entre outros.

O curso foi criado através de parcerias entre Centro Paula Souza, Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia e Prefeitura Municipal de Pompeia.