Notícias fundação Shunji Sishimura

24/09/2014

Alunos do Senai de Marília e Pompeia conquistam medalhas de ouro e prata

Duas medalhas de ouro e uma de prata foram conquistadas por alunos do Senai de Marília e Pompeia na oitava edição da Olimpíada do Conhecimento que aconteceu no início do mês na Expominas em Belo Horizonte e reuniu 800 jovens profissionais formados pela instituição em todo o Brasil.
Os alunos da Unidade de Pompeia, Alex Massayuki Yonekubo, Guilherme Henrique Attis Campanez e Fabiana Bonacina receberam a medalha de ouro na modalidade Manufatura Integrada. Pompeia também levou a medalha de prata na modalidade Tornearia CNC, com o aluno Maicon Roberto de Oliveira Caetano. Medalha de ouro também foi conquistada pela aluna do Senai de Marília, Iracema de Arruda Vilalva na modalidade Panificação.

Considerada a maior competição de educação profissional já realizada nas Américas, a Olimpíada do Conhecimento desafiou os alunos em modalidades da indústria semelhantes as que enfrentariam no mercado de trabalho.

Para o diretor do Senai de Marília e Pompeia, Ronaldo Sotrate Jr. a conquista não trouxe surpresas uma vez que o Senai vem preparando cada vez mais  profissionais de altíssimo desempenho. “Esse resultado nos traz muita satisfação, pois trazemos para nosso estado um resultado com alto nível de excelência. Para nós não será uma surpresa se nossos alunos conseguirem disputar  e vencer a etapa mundial”, destacou o diretor.

Sotrate disse estar com grande expectativa de ter representantes de Marília e Pompéia na World Skills, competição mundial, o que vai trazer satisfação não somente para as unidades do Senai, mas também para os familiares dos alunos em ver seus filhos entre os melhores profissionais do mundo.

“As unidades do Senai de Marília e Pompeia estão no auge do desenvolvimento tecnológico e com certeza entre as melhores do Brasil. A Olimpíada promove uma preparação sem igual entre os competidores que os leva a atingirem um nível de excelência profissional diferenciado”, justifica o diretor.

Sotrate disse ainda que a Olimpíada promove um treinamento de 1 a 2 anos no qual os participantes adquirem conhecimentos técnicos que um profissional levaria 10 anos de profissão para adquirir dada a profundidade e exigência da competição. “Formam-se técnicos que atingem um nível de excelência único e que vão contribuir muito para a indústria”, finalizou.

A medalhista de ouro na modalidade Panificação, Iracema de Arruda Vilalva, falou da gratificação em receber o prêmio, que foi resultado de muito esforço e dedicação. “Nossos treinamentos foram muito intensos chegando a durar mais de 12 horas por dia, mas valeu à pena. Como mulher e como a primeira aluna a receber a premiação em nível nacional na unidade sinto muita honra e tudo isso graças ao preparo oferecido pelo Senai que com certeza vai fazer toda a diferença na nossa vida profissional”, comemora.

A mesma satisfação foi relatada também pela aluna, Fabiana Bonacina, medalha de ouro na modalidade Manufatura Integrada. “A competição não foi nada fácil, mas treinamos muito e a medalha foi resultado do nosso trabalho e esforço. Graças a Deus deu tudo certo. Estou muito feliz por ter tido a oportunidade de representar o Estado de São Paulo e levar o nome da nossa escola”, justificou.

Na opinião de outro medalhista da Manufatura Integrada, Alex Massayuki Yonekubo a Olimpíada proporciona desenvolvimento profissional e pessoal. “Para mim foi e está sendo uma experiência única. A competição foi de muita tensão e nervosismo, mas tivemos que manter o foco e trabalhar pela conquista do objetivo”, relatou.

Cada aluno finalista estará agora se preparando para disputar uma vaga na etapa mundial das competições de educação profissional em agosto de 2015 em São Paulo, no caso, a primeira edição do World Skills em um país da América Latina. Para tanto, os primeiros colocados na Olimpíada vão passar por novas provas e terão que atingir o índice técnico exigido em sua modalidade. O WorldSkills, que teve sua última edição na Alemanha, vai reunir no ano que vem 1200 competidores de 60 países. 

 

Imagens da notícia